02/10/2008

-esta mão para este mundo..

-às vezes da vontade de furar a mão pra ver o que sai de dentro. um esguicho de sangue, alguns nervos, alguns ossos, uma coisa macia chamada carne.. e o que mais? dependendo do lugar que ela seja furada, perde-se todos os movimentos dos dedos, mas ela continuará sendo uma mão, e mesmo se ela tiver um dedo a menos continuará sendo uma mão. é mais que uma identidade, ela nasceu pra ser mão, foi feita pra ser mão, tem forma de mão, é uma mão.
-mas.. o que afinal é uma mão? uma coleção de juntas estalantes, aonde a pele é rugosa, cheia de traços que dizem ser possível ler a vida neles, e onde nas pontas dos dedos saem pedaços de queratina. e o que mais? se temos o mundo nas nossas mãos, ainda não achei o lado delas que o guarda. do lado da palma não é, fechando-as só sinto o ar escapando por entre os dedos. do lado de dentro não deve ser, um mundo é grande ao extremo para encaixar entre essas juntas. talvez seja nas costas delas.. por mais que se estique os dedos a mão não se fecha para trás, o ar não é comprimido e nem perdido, e tem espaço de sobra para um mundo ser equilibrado ou apenas encostado.
-ter o mundo nas mãos.. pode ser para isso que elas tenham sido feitas, as mãos. para segurar um mundo nosso que não conseguimos segurar com os pés ou com a cabeça. e claro, cada um de nós tem seu próprio mundo, o meu não é seu e o daquele lá nunca será nosso.
-mas e se as mãos fossem de desaparafusar? nosso mundo seria perdido junto com elas, ou sairia rolando perdido por aí afora, porque nada nem ninguém pode movimentar o seu mundo, VOCÊ é o eixo dele! bobagem dizer que a rotação de seu mundo depende de fulano fazer ou dizer algo, bobagem ainda maior dizer que seu mundo pararia de girar se tal coisa não acontecer.. se ele parar de girar por qualquer motivo, é porque a coisa implica a você, ou seja, se você espera ganhar açúcar e ganha sal o mundo continua girando, e se pára é porque o eixo que é si próprio parou naquele ponto. é muito fácil culpar esse ou aquele quando o mundo foge de nossas mãos, mas quando chega a hora de coloca-lo de volta a sua órbita, só uma pessoa pode fazer isso, e tanto a pessoa quanto o mundo são dependentes um do outro, respectivamente, né.

2 comentários:

Mash Potter Króiss Cobain disse...

meu
vc ta começando a me assustar cm seus textos
seriu, tao mto fodas, grazy a parte: "mas.. o que afinal é uma mão? uma coleção de juntas estalantes, aonde a pele é rugosa, cheia de traços que dizem ser possível ler a vida neles, e onde nas pontas dos dedos saem pedaços de queratina. e o que mais? se temos o mundo nas nossas mãos, ainda não achei o lado delas que o guarda." sei lá, foi tao intensa, ao msm tempo q era simples, foi tao bem escrita q me arrepiou, eu até parei e reli!!
meu vc eh boa... vc tem q saber q é, q tem q investir nisso...
ESCREVE
ESCREVE MAIS

Wagner Oliveira disse...

Adoro essa revolta existencialista.
Nosso universo particular não depende das pernas de ninguém, mas é sempre bom quando seguram sua mão.

Olha só, meu blog tá na sua seleção haha
beijo.